segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Perdido, confuso e vazio: uma motivação.


Muitos jovens estão em crise existencial. Muitos querem desistir depois do primeiro fracasso. São jovens que se sentem inúteis, dentro de uma sociedade que só valoriza o útil. Muitos desses jovens são vazios. Não aproveitam as oportunidades que a vida oferece e vivem ... ou melhor, vegetam nesse mundo. Deixam de vivenciar valores e optam por contra-valores; deixam de viver e vão morrendo aos poucos. Querem tudo muito rápido. Querem passar do 1º ao 3º degrau sem pisar no 2º. Ele pode fazer isso? Claro, mas e as oportunidades que ele perdeu no 2º degrau? Como voltar atrás se o jovem de hoje é muito rápido e quer tudo para o "agora" sem esperar amadurecer o fruto. E quando come o fruto verde, acha ruim e acaba jogando fora.
Estava refletindo sobre nossas potencialidades. O que pensar dos atletas paraolímpicos? Com suas deficiências, desafios conseguem superar muitos obstáculo. Certa vez comentei com um colega, jovem, sobre o sucesso de nossos atletas. Falei sobre aquele nadador, o Daniel Dias que havia sido recordista em medalhas de ouro na natação paraolímpica. Ele, num tom de gozação disse: assim até eu ganho medalha. ou seja... sendo portador de alguma deficiência é mais fácil de se ganhar medalha. Fiquei indignado com tal reposta do meu colega, demonstrando explicitamente o seu preconceito e desprezo por nossos atletas.
Fiquei pensando esse meu colega, com seus membros normais, com duas pernas, dois braços, perfeitos, nadando contra o Daniel Dias. Tenho a certeza de que ele perderia. Pois não tem treino, dedicação e disciplina. Queria estar lá para olhar bem nos olhos desse meu colega e perguntar: e dai, o que deu de errado com o seu "ser perfeito"?
Aproveitei para refletir sobre os meninos do futebol, que levaram ouro. Os atletas são todos cegos. Fiquei impressionado com essa performance dos nossos atletas cegos. Fiquei imaginando a nossa seleção oficial, aquela do Dunga, todos enxergando muito bem... às vezes só não enxergam o gol, a trave... ou melhor só enxergam seus interesses pessoais e o orgulho fala mais alto.
Os nossos jovens, aqueles sem nenhuma necessidade especial, "perfeitos" deveriam tomar como exemplo a garra desses atletas paraolímpicos. Esses nossos atletas devem ser modelos de humildade para nossos jovens que perderam a esperança, a vontade de viver, o amor pela vida e pelas coisas que ela nos oferece. Conheço muitos jovens tristes, perfeitos, porém são cegos, mudos e surdos diante da vida. Jovem, que está ai pensando na vida, sem saber o que fazer, pois não passou no vestibular; que perdeu a namorada ou o namorado; que não vai viajar para Disney devido a alta do dólar; você mesmo que está triste e desgostoso com a vida, preste bem atenção nos exemplos que a vida nos oferece, e faça uma comparação entre esses atletas paraolímpicos e a sua vida. Tire suas próprias lições. Você pode até parar, ir mais devagar, tropeçar e cair, mas DESISTIR NUNCA.



É deficiente físico e há mais de 20 anos pratica atletismo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

ENCANTAR para DESENCANTAR

O Encanto

Encantar é fazer a pessoa se sentir nas nuvens. Encantar é trazer a admiração, a paixão, o brilho no olhar, o amor, o enamorar-se para bem próximo de si. Encantar, é tirar o coração da solidão e trazer para o meio da roda. Encantar é tudo isso e muito mais.
Estava preparando uma palestra para os jovens da PJM, quando me deparei com a palavrinha ENCANTAR. Ao buscar uma ilustração no Google, joguei as palavras CORAÇÃO ENCANTADO, e o Google me retornou com muitas imagens, mas uma dela me chamou a atenção:

Sim, um coração ENCANTADO é um coração que está no canto. Achei muito engraçado a imagem e a relação que o Google fez. No primeiro momento pensei em descartar essa imagem, mas depois de muito pensar e refletir optei por usá-la. E veio à mente a seguinte reflexão: um coração jogado, abandonado num canto de uma sala. Quer representar os adolescentes e jovens que estão nos grupos, participam de movimentos juvenis, e encontram no grupo um lugar onde partilhar suas dores e angustias. Pense em todas as vezes, que você, animador de grupos, entrou em seu grupo e encontrou adolescentes e jovens assim, como esse coração no canto. Quem sabe precisando de carinho, de uma atenção. E o que fizemos? Conseguimos tirá-lo do canto? Usando a lógica das palavras e suas definições, conseguimos DESENCANTÁ-LO, ou seja, tirá-lo do canto de sua existência? Concluí em minha reflexão, que para DESENCANTAR é necessário ENCANTAR. Por isso, ao entrar em sala de aula, em algum grupo, na sua escola, na sua paróquia, em sua igreja, qualquer que seja a denominação, olhe bem nos cantinhos e procure por adolescentes, jovens e até mesmo adultos DESENCANTADOS, porém jogados num canto, abandonados, necessitando de atenção, carinho e afeto e faça o seu coração pulsionar mais forte. Você tem em suas mãos a possibilidade de fazer feliz uma pessoa, e ao mesmo tempo tornar-se a pessoa mais feliz do mundo. Que tal começar agora a DESENCANTAR as pessoas com o seu ENCANTO?

Um abraço do Brother John