segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Perdido, confuso e vazio: uma motivação.


Muitos jovens estão em crise existencial. Muitos querem desistir depois do primeiro fracasso. São jovens que se sentem inúteis, dentro de uma sociedade que só valoriza o útil. Muitos desses jovens são vazios. Não aproveitam as oportunidades que a vida oferece e vivem ... ou melhor, vegetam nesse mundo. Deixam de vivenciar valores e optam por contra-valores; deixam de viver e vão morrendo aos poucos. Querem tudo muito rápido. Querem passar do 1º ao 3º degrau sem pisar no 2º. Ele pode fazer isso? Claro, mas e as oportunidades que ele perdeu no 2º degrau? Como voltar atrás se o jovem de hoje é muito rápido e quer tudo para o "agora" sem esperar amadurecer o fruto. E quando come o fruto verde, acha ruim e acaba jogando fora.
Estava refletindo sobre nossas potencialidades. O que pensar dos atletas paraolímpicos? Com suas deficiências, desafios conseguem superar muitos obstáculo. Certa vez comentei com um colega, jovem, sobre o sucesso de nossos atletas. Falei sobre aquele nadador, o Daniel Dias que havia sido recordista em medalhas de ouro na natação paraolímpica. Ele, num tom de gozação disse: assim até eu ganho medalha. ou seja... sendo portador de alguma deficiência é mais fácil de se ganhar medalha. Fiquei indignado com tal reposta do meu colega, demonstrando explicitamente o seu preconceito e desprezo por nossos atletas.
Fiquei pensando esse meu colega, com seus membros normais, com duas pernas, dois braços, perfeitos, nadando contra o Daniel Dias. Tenho a certeza de que ele perderia. Pois não tem treino, dedicação e disciplina. Queria estar lá para olhar bem nos olhos desse meu colega e perguntar: e dai, o que deu de errado com o seu "ser perfeito"?
Aproveitei para refletir sobre os meninos do futebol, que levaram ouro. Os atletas são todos cegos. Fiquei impressionado com essa performance dos nossos atletas cegos. Fiquei imaginando a nossa seleção oficial, aquela do Dunga, todos enxergando muito bem... às vezes só não enxergam o gol, a trave... ou melhor só enxergam seus interesses pessoais e o orgulho fala mais alto.
Os nossos jovens, aqueles sem nenhuma necessidade especial, "perfeitos" deveriam tomar como exemplo a garra desses atletas paraolímpicos. Esses nossos atletas devem ser modelos de humildade para nossos jovens que perderam a esperança, a vontade de viver, o amor pela vida e pelas coisas que ela nos oferece. Conheço muitos jovens tristes, perfeitos, porém são cegos, mudos e surdos diante da vida. Jovem, que está ai pensando na vida, sem saber o que fazer, pois não passou no vestibular; que perdeu a namorada ou o namorado; que não vai viajar para Disney devido a alta do dólar; você mesmo que está triste e desgostoso com a vida, preste bem atenção nos exemplos que a vida nos oferece, e faça uma comparação entre esses atletas paraolímpicos e a sua vida. Tire suas próprias lições. Você pode até parar, ir mais devagar, tropeçar e cair, mas DESISTIR NUNCA.



É deficiente físico e há mais de 20 anos pratica atletismo.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

ENCANTAR para DESENCANTAR

O Encanto

Encantar é fazer a pessoa se sentir nas nuvens. Encantar é trazer a admiração, a paixão, o brilho no olhar, o amor, o enamorar-se para bem próximo de si. Encantar, é tirar o coração da solidão e trazer para o meio da roda. Encantar é tudo isso e muito mais.
Estava preparando uma palestra para os jovens da PJM, quando me deparei com a palavrinha ENCANTAR. Ao buscar uma ilustração no Google, joguei as palavras CORAÇÃO ENCANTADO, e o Google me retornou com muitas imagens, mas uma dela me chamou a atenção:

Sim, um coração ENCANTADO é um coração que está no canto. Achei muito engraçado a imagem e a relação que o Google fez. No primeiro momento pensei em descartar essa imagem, mas depois de muito pensar e refletir optei por usá-la. E veio à mente a seguinte reflexão: um coração jogado, abandonado num canto de uma sala. Quer representar os adolescentes e jovens que estão nos grupos, participam de movimentos juvenis, e encontram no grupo um lugar onde partilhar suas dores e angustias. Pense em todas as vezes, que você, animador de grupos, entrou em seu grupo e encontrou adolescentes e jovens assim, como esse coração no canto. Quem sabe precisando de carinho, de uma atenção. E o que fizemos? Conseguimos tirá-lo do canto? Usando a lógica das palavras e suas definições, conseguimos DESENCANTÁ-LO, ou seja, tirá-lo do canto de sua existência? Concluí em minha reflexão, que para DESENCANTAR é necessário ENCANTAR. Por isso, ao entrar em sala de aula, em algum grupo, na sua escola, na sua paróquia, em sua igreja, qualquer que seja a denominação, olhe bem nos cantinhos e procure por adolescentes, jovens e até mesmo adultos DESENCANTADOS, porém jogados num canto, abandonados, necessitando de atenção, carinho e afeto e faça o seu coração pulsionar mais forte. Você tem em suas mãos a possibilidade de fazer feliz uma pessoa, e ao mesmo tempo tornar-se a pessoa mais feliz do mundo. Que tal começar agora a DESENCANTAR as pessoas com o seu ENCANTO?

Um abraço do Brother John

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Ser educado é bom...e todos nós gostamos!

Ser educado é bom...e todos nós gostamos!

No dia 02/04 viajei para Brasília. A viagem não foi das melhores, mas chegamos bem. Em Brasilia, no momento que chegamos, chovia e já passava das 21h30min. A fila para o taxi estava razoável. Mas a chuva atrapalhava o pessoal, afinal o aeroporto de Brasília está sendo ampliado, então vocês imaginam o caos. Na frente duas pessoas esperando a vez para tomarem o seu taxi, e ao lado, fora da fila, um nobre deputado, cujo nome não sei, mas li na etiqueta de sua mala que ele era de Apucarana, PR. 

Ele estava fora da fila e com uma forte tendência para furar e foi o que fez. Alguns chiaram e ele simplesmente resmungou. Ele carregava uma mala preta, dessas de plástico duro, enorme. Não vou comentar e nem pensei no que poderia ter naquela mala... aliás vou comentar sim: ali dentro também não estava estocada educação que ele não tinha e não demonstrou em nenhum momento, porém, acredito que estava repleta de "boçalidade". 
Como estava chovendo, e o porta-malas do taxi estava um pouco na chuva, ele simplesmente ordenou, com certa agressividade e sem educação para o garoto que "organiza" os taxis e passageiros, que ele levasse a mala para o porta-malas, já que o motorista nem se mexeu para fazer isso. O garoto, em sua humildade, ficou onde estava, parado, sem mover um dedo para levar a mala do ilustríssimo deputado. E o nobre deputado simplesmente falou: "ninguém vai levar minha mala?". E não teve jeito, ele mesmo teve que levar até o porta-malas. Quando o taxi partiu, a moça, amiga do garoto disse: que folgado heim? E o garoto disse: pois é, se pelo menos ele pedisse com educação eu faria esse favor a ele.
 
Pois bem, concluo que o a educação, o respeito é bom, e todos nós gostamos. O mais interessante é que todos nós sabemos disso, mas esquecemos de praticar. 
Quer ser ajudado ou receber uma colaboração de alguém? Então, saiba que a educação é uma ótima receita!



segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Até tu Brutus?

Dedico essa mensagem aos Governantes!!!

Professor! Hoje estão todos dando os parabéns para os professores. E muitas críticas ao governo que não valoriza essa profissão, ou seria MISSÃO? Estava eu pensando um pouco no que escreveria hoje e então veio-me a ideia de fazer alguns questionamentos. Leia e reflita!
Por que será que tivemos números recordes de candidatos a vareadores em 2012? O que não vejo são candidatos para o curso de Pedagogia em muitas Universidades. Por que será? Salário? E então eu pergunto: 
Você já viu algum professor ser condenado por estar fazendo parte da quadrilha do mensalão? 
Você já viu professor explodindo bancos eletrônicos?
Você já viu professor escondendo milhares de reais na cueca?
Você já viu professor fazendo leis para aumentar o salário em até 66%?
Você já viu professor usando jatinhos particulares para ir numa festa de um amigo?
Você já viu professor com conta bancária na Suíça ou nas Ilhas Cayman?
Você já viu professor "que não vê nada", "que não sabe de nada"...?
Você já viu professor comprando votos por ai?
Você já viu professor analfabeto ditando leis e normas por ai?
Você já viu professor receber 15º salário?
Você já viu professor com carro, apartamento e viagens e outras despesas pagas por ele ser professor?
Você já viu professor planejar sequestro ou exterminar jovens?
Você já viu professores fazendo parte da milícia?
Você já viu professor usando armas da Polícia?
Você já viu professor bancando Escolas de Samba com dinheiro ilegal?
Você já viu professor desviando verbas destinadas as escolas ou a Saúde?
Você já viu professor trabalhar com o mesmo regime de trabalho dos nossos parlamentares?
Você já viu professor caçado e retornando ao posto depois de alguns meses?
Você já viu professor que sofreu um impeachment e retornou depois como diretor da escola?

O que posso concluir é que o bandido tem vez e direitos... o professor tem que se ferrar!

Agora, tire você a sua conclusão.

Parabéns Professores... parabéns a todos que lutam por uma educação de qualidade e direitos iguais. Parabéns e muito obrigado!!!!

sábado, 22 de setembro de 2012

Como formar o jovem hoje?


Estamos num século em que o trabalho de evangelização da juventude está sendo um grande desafio para todos que exercem um apostolado junto à juventude. Temos, em partes, dois culpados nessa história toda: aquele que trabalha com o jovem e a família desse jovem.
Levando em consideração a idade da nossa juventude, acredito que a maioria dos pais desses jovens deve ter entre 35 e 45 anos. Se levarmos em consideração a média de idade do brasileiro e a sua expectativa de vida, esses pais podem ser considerados jovens-adultos. São pais que viveram sua juventude nos anos 80, época em que muitos organismos de Igreja eram muito mais atuantes. Estamos falando dos movimentos de casais, dos grupos de jovens que rezavam, da JUC, JOC, JEC(bem antes da década de 80) etc. Tinha uma infinidade de oportunidades para fazer parte e ser um jovem atuante na Igreja. A metodologia era diferente. Os pais se envolviam e educavam para a vida, para os valores. A mídia não tinha tanta influência; não tínhamos a internet, as redes sociais, nem a TV 3D, plasma, led... tudo era mais arcaico, mas, mesmo sendo simples, tinha um efeito positivo. Eram poucos os ambientes de lazer. Na "balada", só se ia aos sábados e domingos; a semana era voltada para os estudos e, em muitos casos, para o trabalho e estudo; a missa era algo sagrado, em muitas famílias, uma vez que TODOS participavam no sábado ou domingo. Enfim, era uma outra realidade. Hoje, a maioria das famílias não se preocupa tanto com a formação para valores, mas se preocupa com que o filho tenha um ótimo estudo, passe no vestibular e que fique o máximo de tempo em casa. Por isso, a internet e as redes sociais são bem vindas em muitos lares, pois possibilita prender os filhos em casa.  (no entendimento dos pais). São muitos aspectos que poderia elencar aqui, mas, em síntese, a dificuldade em educar os jovens com base em valores, em levar uma formação na catequese ou nos meios religiosos, em atraí-los. Muitas vezes, os pais têm uma parcela de culpa nesse processo.
Por outro lado, eu vejo como um segundo culpado os próprios pastoralistas, catequistas, assessores de grupos, pois não têm metodologia para trabalhar com essa juventude. Quem quer trabalhar com a juventude, precisa, antes de tudo, conhecer esse jovem. Não basta recordar da SUA juventude, pois com certeza foi diferente da juventude deste jovem com o qual você está trabalhando. Por exemplo, eu te pergunto: Qual a sua formação para trabalhar com os jovens? Que cursos você já fez que te possibilitasse conhecer o jovem, seus desejos, seus gostos, sua maneira de enxergar o mundo etc? Então, a primeira dica que te dou para conseguir formar esse jovem é conhecê-lo; em segundo lugar, você deve também se deixar ser conhecido pelo grupo, pelos jovens. Você tem que se tornar conhecido e amado por eles; antes de querer tornar Jesus Cristo conhecido e amado, tente tornar-se conhecido e amado. Uma vez que a juventude goste de você,  ame você, então você poderá fazer o que quiser com ela e os jovens vão te seguir. Terceiro, seja paciente, compreensível. Muitas vezes, temos que entrar na onda da juventude. Não quero dizer que temos que ser COMO eles, mas temos que ESTAR com eles. Quarto, a nossa presença é fundamental, no processo de formação. O jovem não quer apenas dinâmicas nos grupos, eles querem algo que faça pensar, refletir e praticar no dia a dia. Por isso, procure sempre fazer o seu jovem ser ÚTIL. Isso mesmo, pois a sociologia nos ensina que o jovem, no seio da família, se sente inútil, pois os pais colocam isso na cabeça deles. Quando o jovem procura um grupo de jovem, na verdade, ele está procurando algo para FAZER, para ser ÚLTIL, já que em casa ele é um inútil e serve apenas para estudar e passar de ano. Viu como é importante conhecer a juventude? Então, procure quebrar o paradigma do seu grupo, ao invés de começar com a TEORIA e depois ir para a PRÁTICA. Inverta esse posicionamento. Comece com a prática e, depois, a partir da prática, encaminhe para uma reflexão, para uma conclusão que não deixa de ser a teoria. Tente ser muito sincero com a juventude: quando for para ser duro, seja; quando for para ser terno, seja; brinque com os jovens, ria com eles. Você tem que SER IGUAL a eles. Porém, sem abaixar o seu nível de compromisso e responsabilidade. E, por último, ame e deixe-se amar. Na maioria das vezes, nós queremos mudar a vida dos jovens, queremos resolver os seus problemas, temos pena do jovem e, muitas vezes, somos paternalistas demais. Existem pastoralistas que, se pudessem, adotariam todos os jovens do seu grupo. Porém, não é isso. O jovem quer se sentir importante também, ele quer ajudar. Quantas vezes você chamou um jovem do seu grupo, um amigo do grupo, e expôs alguma dificuldade, ou pediu a ele uma ajuda, uma opinião? Quantas vezes você fez isso ao grupo? Por que apenas os jovens têm que nos procurar? Devemos evangelizar com o coração e não somente com a mente. Quando queremos salvar a juventude, mas não nos abrimos também a eles, estamos evangelizando com a mente; quando confiamos na juventude, expomos também nossas mazelas, dificuldades para eles, evangelizamos com o coração.
Se quiser usar essa reflexão para outras pessoas ou publicar, eu autorizo. Porém, apenas coloque o nome do autor.

Um forte abraço.

Brother John